Facebook decide não exibir anúncios no WhatsApp

O Facebook suspendeu a ideia de colocar anúncios no WhatsApp por enquanto. A equipe por trás dessa função foi encerrada segundo o Wall Street Journal.

De acordo com um relatório do Wall Street Journal, o Facebook suspendeu seus planos de introduzir anúncios no feed de status do WhatsApp. As conversas sobre anúncios no WhatsApp, e especificamente acontecem há mais de um ano, com o vice-presidente do serviço confirmando isso em outubro de 2018. Mas esses planos parecem estar em pausa, pelo menos por enquanto.

O WSJ cita “pessoas familiarizadas com o assunto”, que relataram que a equipe responsável por encontrar maneiras de integrar anúncios ao serviço foi encerrada e seu trabalho foi excluído do código do aplicativo. Isso foi confirmado pelos renomados detetives do código do WhatsApp WABetaInfo, que disseram que todas as menções aos anúncios de status foram removidas do aplicativo com a versão beta 2.19.356 (que data de 4 de dezembro de 2019).

Os planos do Facebook de trazer anúncios para o WhatsApp não estão completamente mortos, estão apenas em pausa. Em vez disso, o foco será monetizar o WhatsApp Business e esperar recuperar alguns dos US$ 19 bilhões pagos pelo serviço de mensagens em 2014.

WhatsApp não terá anuncios ainda por enquanto

O co-fundador da plataforma de mensagens Jan Koum se opôs a ela desde 2012, dizendo que é “a ruptura da estética, os insultos à sua inteligência e a interrupção de sua linha de pensamento”. Sua política de não publicidade foi reiterada quando o WhatsApp mudou seus termos de serviço em 2016, apesar da supervisão do Facebook. No entanto, o conflito entre um co-fundador avesso à anúncios e defensor da privacidade e a dependência do Facebook na mineração de dados e na segmentação de anúncios eram inevitáveis, levando à saída de Jan Koum do Facebook no ano passado.

O WhatsApp se recusou a fornecer um comentário ao WSJ, mas talvez essa pausa temporária traga ao Facebook alguma sabedoria e outras idéias sobre como monetizar o WhatsApp. Ninguém espera que 1,5 bilhão de pessoas continuem se beneficiando da plataforma de mensagens gratuitamente e sem que elas sejam lucrativas de alguma forma, mas cobrar por um serviço gratuito e amado ou adicionar anúncios a ele não é a jogada mais inteligente e pode arriscar alienar muitos usuários. Fornecer complementos pagos, oferecer uma camada premium e cobrar especialmente por empresas por recursos profissionais pode ser uma ótima alternativa.

FONTEAndroid Police

Inscreva-se em nosso canal

Artigos Relacionados