Android é mais seguro que iPhone, veja porquê

De acordo com um detetive forense o Android é mais difícil de descriptografar, já o iPhone é mais fácil, especialmente sem a ajuda da Apple, segundo o relatório. 

Por vários anos seguidos, o governo dos EUA vem pressionando a Apple a a criar o chamado “backdoor” em seu smartphone, para que as agências de aplicação da lei possam acessar prontamente os dados criptografados quando necessário. Isso geralmente foi rejeitado pela Apple. É por isso que tem havido muitas manchetes recentemente sobre o governo dos EUA tentando convencer empresas como a Apple a entregar o acesso “backdoor” a dados de smartphones de pessoas em julgamento por crimes.

Agora surgiu que o governo não precisa mais da ajuda da Apple, afinal. Um relatório recente divulgado pela Vice revelou que o governo conseguiu decifrar com êxito a criptografia de smartphones, especialmente em iPhones sem a ajuda da Apple. Curiosamente, os smartphones Android que se pensava terem criptografia menos segura estão ficando cada vez mais difíceis de decifrar.

De acordo com o detetive do Texas Rex Kiser, que realiza exames forenses digitais para o Departamento de Polícia de Fort Worth; “Há um ano, não podíamos entrar nos iPhones, mas podíamos entrar em todos os Android. Agora não podemos entrar em muitos Android. ”

Relatório diz que o Android é mais difícil de ser acessado

O relatório da Vice também contém uma alegação de que uma empresa americana chamada Cellebrite, que geralmente é contratada por agências governamentais para decifrar smartphones, já possui uma ferramenta que pode decifrar a criptografia do iPhone até o iPhone X. O relatório afirma que a ferramenta pode fornecer com êxito os investigadores acessam dados como registros de GPS, mensagens, registros de chamadas, contatos ou mesmo dados de aplicativos específicos como Instagram, Twitter, LinkedIn e mais, que podem ser usados ​​para processar criminosos.

No entanto, a ferramenta usada pela Cellebrite não tem sido muito bem-sucedida com a criptografia do Android em uma variedade de aparelhos. Por exemplo, a ferramenta não conseguiu extrair nenhuma mídia social, navegação na Internet ou dados de GPS de dispositivos como o Google Pixel 2, que possui um módulo de segurança de hardware resistente a violações, e o Samsung Galaxy S9. O relatório diz que o Huawei P20 Pro não deu acesso a nenhum dado, o que é bastante impressionante. Isso pode apoiar a insistência da Huawei de que seus telefones não tenham um backdoor que possa ser acessado pelo governo chinês.

Relatório diz que o Android é mais difícil de ser acessado

No entanto, observe que este relatório não significa que seu dispositivo Android não pode ser acessado, apesar da ferramenta Cellebrite não funcionar em alguns dispositivos Android. Os investigadores ainda podem extrair os dados necessários, mesmo em novos telefones como o iPhone 11 Pro Max, mas o processo é um pouco mais trabalhoso e leva mais tempo. No entanto, se a segurança e a privacidade são grandes preocupações para você, observe que existem alternativas melhores que o iPhone da Apple.

FONTEGIZMOCHINA

Inscreva-se em nosso canal

Artigos Relacionados